Histórias de uma Curitiba Plural

Mais um passo, um novo caminho de transformação

Desde que começamos o projeto do Rock Camp Curitiba, em 2017, já tínhamos em mente que nosso objetivo era proporcionar transformação não só para jovens meninas cis, trans e não binárias, mas também para pessoas adultas pertencentes a esse grupo. 

Nós sabíamos – e isso se confirmou depois da 1ª edição do Rock Camp Curitiba em janeiro de 2018 – que por meio do voluntariado, essa transformação iria acontecer nas mulheres e pessoas adultas envolvidas com nosso trabalho. Mas quando a gente abraça um sonho, e ele começa a se realizar, a gente vai vislumbrando mais possibilidades para ele.

Testemunhar o camp despertando autoconfiança, criatividade e liberdade de expressão nas crianças, e melhorando a autoestima do voluntariado, gerando retomada de planos engavetados, mudança de profissão, novos projetos e sonhos, nos fez entender que dava pra fazer mais, dava para transformar mais. Vimos que criando atividades para pessoas adultas, poderíamos proporcionar mais experiências de autoconhecimento, construção de redes de apoio, sororidade, expressão musical e tantas outras coisas. E foi assim que o Rock Camp Curitiba 18+ tornou-se uma meta na nossa lista.

Com a pandemia, a realização desta programação para pessoas adultas teve que ser colocada na geladeira, o que obviamente nos entristeceu muito. Agora, porém, com a população vacinada, entendemos que chegou o momento de disponibilizar essa experiência para esta parcela da população que ainda precisa criar seus espaços seguros de expressão, diálogo e trocas.

Faltando pouco mais de um mês para o tão sonhado Rock Camp Curitiba 18+, temos presenciado, a cada tarefa realizada, a transformação que o camp gera em nós mesmas, que dividimos sua coordenação. Porque trabalhar por um projeto no qual acreditamos juntas, nos dá a alegria de construir no coletivo e a certeza de que a transformação também virá para as mulheres cis, pessoas trans e não binárias que farão parte não apenas da primeira, mas de todas as edições que ainda virão.

É impossível mensurar o que cada participante levará desse projeto, mas sabemos que a chegada do Rock Camp Curitiba 18+ vai, assim como já acontece com o camp para crianças, aumentar redes de apoio, gerar autoconfiança e ampliar sonhos. E essa primeira edição, temos certeza,  é só o começo.

Marlisi Rauth é coordenadora do Rock Camp Curitiba juntamente com Roberta Cibin, Carla Del Valle e Gabriela Pinheiro.

Suzie Marçal

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao topo