Julio Shimamoto e seu Ditador Frankenstein

No ano de 1969, em São Paulo, o diretor artístico Julio Shimamoto andava para fora de seu escritório quando foi revelado que dois homens o esperavam. Esses se disseram agentes federais e colocaram o homem, de então 30 anos, em um camburão. Diversas possibilidades de tortura foram ventiladas nos ouvidos de Julio, porém, por uma sorte do destino, não teve nada realizado perante seu corpo – visto que seu psicológico já estava abalado. O caso marcou a carreira do então jovem Shimamoto, na qual tornaria-se um dos maiores nomes dos quadrinhos do Brasil. O mesmo caso marcou sua maneira de fazer HQs para sempre.

Com base nisso, o editor Márcio Paixão Júnior, da editora MMarte, colocou no mundo um trabalho prévio e histórico. Digo isso pois, na intensa dificuldade de trabalhar e ler materiais clássicos da nona arte brasileira, o feito de Márcio não é menos que incrível. Lançando “O Ditador Frankenstein e outras histórias de terror, tortura e milicos”, temos 11 histórias (e uma relançada em outro formato) em um encadernado único. Todas as histórias com desenhos de Julio, e outras até com seu roteiro, que retratam toda uma fúria contida desse passado obscuro da trajetória brasileira.

E digo fúria porque é realmente uma fúria contida dentro dos traços de Shimamoto. Um caráter nada formal, nada relacionado a uma estética feita por Angeli e Laerte, por exemplo. Há um certo conceito bastante pesado para desenhar cada pequeno detalhe, especialmente os militares. Logo no enredo título desse volume, “O Ditador Frankenstein”, escrito por Luiz Antonio Aguiar, observamos uma dualidade entre a paranóia e o rídiculo. Os militares, ainda vigentes no controle político do período, são retratados sempre como bobos, quase impossíveis de estarem naquele comando. Sua aura maquiavélica causa uma relação interessante com os mais diversos gêneros.

Falando nisso, o apuro de escolha por parte de Marcio foi deveras interessante, a ponto de trazer um verdadeiro volume, com pouco mais de 200 páginas, quase puramente voltado a tramas de gênero. Ficção-científica e horror se misturam a quase todo instante, trazendo possibilidades a serem exploradas perante essas figuras inimigas. Um desses casos mais emblemáticos são as HQs escritas por Basílio de Almeida, em que acompanhamos casos de um repórter vislumbrando lados sobrenaturais de personagens da ditadura militar brasileira – sejam eles mortos ou soldados. Aliás, há um intrigante olhar para o início da milícia no período dentro da história “O Esquadrão dos Mortos!”.

Com esses elementos mais claros de ficção e menos documentais, é perpectível as diferenças de realização nos quadrinhos roteirizados também por Shimamoto. Ali, mais do que apenas essa relação forte com os traços, sempre bastante aguerridos, existe também uma carga forte de melancolia, contrastando com o cômico de outros enredos. Parece haver um sentimento mais pesado, rememorando até histórias pulp e de terror dos anos 40 e 50, sempre trabalhando um lado dramático muito forte dos personagens e, do mesmo modo, nos monstros.

“O Ditador Frankenstein e outras histórias de terror, tortura e milicos” fecha o ano de 2019 em uma maneira quase perfeita. Julio Shimamoto volta para os catálogos e para as possibilidades de ser repensado em tempos contemporâneos. Quando ondas cada vez mais ditadoriais retomam o discurso em terras brasileiras, o falado pelo autor há muito anos atrás reverbera quase como um espelho. Um espelho não muito bonito de ser olhado, mas sim pesado, cheio de marcas e impossível de ser esquecido pela memória.

Notícia da Semana. A Amazon divulgou no último dia 20, sexta, a lista das 20 HQs mais vendidas em sua loja virtual no ano de 2019. Impulsionados ainda pela série, “Watchmen” fica no topo desbancando a todos. Impressionantes são os números de “Akira”, com os volumes 2, 3 e 4 na listra, mostrando-se um sucesso, assim como “Drunna” e “Black Hammer”. A maior surpresa de todas fica por conta de “O Preço da Desonra” estar presente em uma posição tão alta e “Maus”, trazendo um certo paralelo com o complexo ano.

Veja abaixo os 5 primeiros lugares. A lista completa pode ser conferida aqui.

HQs mais vendidas pela Amazon em 2019.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *