Histórias de uma Curitiba Plural

MORTE ÀS ÊNCLISES

Já que a minha campanha sobre pontos de exclamação/interrogação e reticências não surtiu efeito, vou iniciar outra agora, na esperança de que desta vez a coisa corra melhor:

É PRECISO ACABAR COM AS ÊNCLISES ENQUANTO É TEMPO

(só portugueses e o Celso de Melo ainda usam ênclises no dia-a-dia – Michel Temer não conta, ele é café-com-leite – , os demais brasileiros só em linguagem escrita, porque é chic, porque as gramáticas exigem, porque são um povo muito obedientinho às regras de etiqueta literária, embora essas circunstâncias, longe de atenuarem, apenas tornem tudo pior, e nem tou falando de mesóclises, que aí, enfim, não precisa, a gente tem que respeitar as taras dos outros).

Por amor de Deus, me ouçam

Maurício Popija

O inventor do pas de deux solo. Nas horas vagas, cultiva pequenas plantas e desafetos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao topo