Frontispício é uma palavra muito erótica

Preciso confessar que antes da pandemia eu jamais tinha olhado pra testa de uma mulher. A gente se acostuma a ver as coisas sob certa perspectiva e tende a deixar a vida escoar presa a essa perspectiva.
Pois as máscaras descortinaram um mundo novo aos meus olhos

– Tá vendo?
– Tá vendo o quê?
– A testa daquela ruiva ali no balcão
– Que que tem?
– Ce não percebe?
– Tu tá doidão, mano?
– As linhas suaves, a leve insinuação dos sulcos – que denotam, ao mesmo tempo, uma personalidade já bem definida e um certo receio pela aproximação dos 35 -, a textura homogênea, a hidratação cuidadosa, a regularidade da fronteira capilo-cutânea, a ausência de fâneros, o tom abaunilhado que recende dos poros abertos e quase suplicantes por atenção – olha, sério, nunca vi nada parecido, é a perfeição, acha muito inapropriado eu pedir aquela testa em casamento?

Maurício Popija

O inventor do pas de deux solo. Nas horas vagas, cultiva pequenas plantas e desafetos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo