Charme Chulo prepara seu disco mais pop e lança campanha virtual

Banda remanescente da onda indie rock que firmou pé em Curitiba no início da década passada, ao condensar numa só estética o pós-punk e a música caipira, a Charme Chulo prepara o lançamento do seu quarto disco de estúdio, “O Negócio é o Seguinte”.

Novo álbum do Charme Chulo sai entre julho e setembro. Foto: Isabella Mariana

O álbum sucede “Crucificados Pelo Sistema Bruto”, disco duplo de 2014. “Crucificados…” trazia referências tanto a Ratos de Porão e seu álbum de estreia “Crucificados pelo Sistema” (1984), quanto aos conterrâneos “Chitãozinho & Xororó” e “Aqui é o Sistema Bruto”, disco de 2004. Na ocasião, o Charme Chulo, com sua permanente ironia, riu de si mesmo enquanto criticava o “sistema” musical vigente. Agora, com a pandemia e a falta de incentivo generalizada aos artistas, o negócio é outro. Para finalizar o disco, a banda criou uma campanha de financiamento coletivo. O objetivo é vender 500 camisetas, ou arrecadar R$ 15 mil. São quatro estampas disponíveis, criadas pelos artistas Carlos Bauer, Diego Perin, Janara Lopes e Melany Sue. Tudo está explicadinho aqui neste site.

“O setor sempre foi muito frágil e agora deu uma desabada. Conseguimos aprovar um projeto pequeno pela Lei Aldir Blanc, mas sabemos que é apenas uma ajuda”, diz o guitarrista e violeiro Leandro Delmonico, um dos fundadores do Charme Chulo. “Tínhamos nos afastado um pouco dos shows para terminar de compor o disco novo, então, se nos compararmos com outros artistas, o impacto foi pequeno. Temos vários colegas que dependem da rotina de shows e produções e sabemos que não está fácil”. Além de Leandro, o Charme Chulo é formado por Igor Filus (voz), Hudson Antunes (baixo) e Douglas Vicente (bateria).

Para financiar álbum, camisetas da banda estão sendo vendidas numa campanha de financiamento coletivo

“O Negócio é o Seguinte”, diz Delmonico, é o álbum mais pop do Charme Chulo – um contraponto ao disco anterior, extenso e mais experimental. “Nossa ideia foi evoluir o rock caipira, flertando com alguns elementos eletrônicos, com o indie dançante e com o brega atual.” Serão 10 faixas, com referências, por exemplo, à “rainha da sofrência” Duda Beat e à banda indie francesa Phoenix. A produção é de Rodrigo Lemos. “O álbum trata dos dilemas da vida adulta, onde certas paixões são deixadas de lado em prol de ‘estabilidade’. Isso aparece de maneira melancólica e também divertida e desesperada”, completa o músico.

O lançamento de “O Negócio é o Seguinte” depende do sucesso da campanha – atualmente, 75% da meta já foi alcançada. “Se continuar assim, lançamos entre julho e setembro. Para matar a curiosidade dos apoiadores, vamos soltar o clipe do primeiro single, ‘Nem a Saudade’, até junho”, diz Leandro. Uma live de lançamento também está nos planos da banda, uma das mais originais e jacus (no melhor dos sentidos) aqui da terrinha.

Cristiano Castilho

Cristiano Castilho é jornalista formado pela UFPR e pós-graduado em Jornalismo Literário pela ABJL. É autor do livro "Crônicas da Cidade Inventada e Outras Pequenas Histórias" (Arte & Letra).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo