Histórias de uma Curitiba Plural

O primeiro monstro de Alan Moore

Era março de 1984 quando a revista Scream! estreou para os ingleses. Naquela época, a semanal publicação dava espaço para antologias de horror, sempre rememorando as clássicas publicações do genêro nos quadrinhos americanos. Apesar disso, a Scream! acabou propriamente não fazendo muito sucesso, durando apenas 15 edições, com sua história de maior renome sendo “The Thirteen Floor”. Dentre esses 15 números surgia “Monster”, publicado no Brasil como “Monstro”, uma HQ com o roteiro de Alan Moore e desenhos de Heinzl. Posteriormente, a arte ficou sendo feita por Jesus Redondo. A história tratava sobre um menino junto de seu tio, um monstro parecido com o “Frankenstein”, que fugiram pelos Estados Unidos para não serem encontrados pela polícia.

Após o fim da Scream!, a obra passou a ser publicada semanalmente na revista The Eagle, aonde foi até seu fim. A história durou todas as 15 na primeira revista e da 128 até 155 da segunda.

Moore, na realidade, ficou apenas quatro páginas na revista – basicamente, o início da trama -, já que logo ela ficou sob a édige da dupla John Wagner (criador do “Juiz Dredd”) e Alan Grant (o maior roteirista do “Capitão Britânia”, ainda com destaque em sua fase do Batman), nomes super importantes para a produção britância de HQs na época. O nome deles ficou como Rick Clark, um pseudônimo.

O mais interessante sobre “Monstro” é o seu pouco sucesso no período, era uma obra sempre bastante esquecida dentro dos quadrinhos de terror europeus, além de ter sido bastante desvalorizada durante esse tempo. A curta duração das histórias e um lado bem mais voltado para o suspense do que propriamente a ideia de produções de monstro, talvez tenham sido alguns dos motivos principais. De toda forma, é interessante perceber como seu resgate passou a ser quase pedido depois de um tempo, algo ainda mais destacado pelo sucesso nos anos seguinte feito pelo primeiro roteirista Alan Moore – e, obviamente, todos os seus geniais roteiros do outro monstro, o do Pântano.

Recentemente, a editora 2000 AD então adquiriu os direitos desse clássico, publicando em um encadernado especial no ano de 2016, que seria trazido para o Brasil em uma outra edição também especial, logo em 2017.

Claudio Gabriel

Apaixonado por cultura pop no geral. Repórter da rádio CBN e editor-chefe do site Senta Aí.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao topo