Histórias de uma Curitiba Plural

Amores em tempos modernos

O celular toca. A mensagem é “Bom dia, amigx. Vamos sair de casa para tirar esse mofo?”. A personagem principal olha em seu aparelho diversas mensagens e resolve apenas escovar o dente. Dentro desse início, a HQ “Quinze Minutos com Você”, primeiro trabalho de Mariana Sales, busca um olhar contemporâneo para como a protagonista interpreta tudo. Em uma volta ao passado, trazendo um caminho bastante lisérgico, arrependimentos e brigas se misturam a saudade. Seria ela de um amor ou de uma amizade? O que esperar dos tempos líquidos em que vivemos?

Mariana parece entender bem isso, colocando sua figura principal da história quase como algutinador do mundo. Ela ouve músicas indie, passeia de bicicleta e quer cursar artes. Seu aglomerado cultural parece ser quase uma realidade dos anos 80 ou até do início dos anos 2000. Porém, é interessante como a narrativa foge de um caminho convencional da vida do casal para os trazer em uma realidade presente. As mensagens ditam mais que os gestos. Elas realmente contam. Os diálogos, presentes mais nas canções do The Smiths, contam perspectivas, pensamentos. A potência de uma realidade dos sentimentos ocorre por um acaso involuntário, não expressando.

Nesse sentido, o quadrinho rememora quase filmes de romance, que buscam expressões para os pequenos gestos. A artista não gosta de deixar tudo totalmente claro, especialmente dos sentimentos da personagem principal. A dúvida sobre amizade ou amor, forma gestos do par masculino, algo também bastante típico dos filmes do gênero. Todavia, o mais interessante é como isso vai formar uma perspectiva de discussões sobre o olhar feminino dentro da história. Diferente de “500 Dias com Ela”, por exemplo, que coloca em xeque a visão masculina, “Quinze Minutos com Você” traz a dúvida sobre a perspectiva feminina. Estaria ela exata até dos próprios sentimentos? Complexo dizer isso de maneira clara, até porque a HQ deixa espaços abertos. E, esse fato, torna tudo ainda mais interessante e tridimensional.

Mariana Sales parece quase entender a vivenciar a realidade do amor contemporâneo. Esse amor pode ser idealizado, algo totalmente romântico, advindo bastante da literatura moderna, ou de uma amizade, de algo muito mais fluído da atualidade. Como as pessoas podem estar nesse meio? O tempo que dá o título a obra – quinze minutos – mostra esses caminhos do fluxo da atualidade dos relacionamentos. Eles podem mudar rápido, como poderiam ser? Ao fim, não tem como realmente saber. A realidade é estar no meio disso, vivenciando. Até porque toda semana acordamos, levantamos e olhamos o celular checando as mensagens de sempre. É uma espécie de ciclo sem fim.

Capa da HQ.

Notícia da Semana. “East of West”, um dos grandes trabalhos de Jonathan Hickman, será lançado no Brasil pela Editora Devir. Ainda não há uma data prevista ou qualquer maior informação, no entanto é esperado que a obra, finalizada em dezembro do último ano, comece a ser publicada ainda esse ano.

Notícia da Semana 2. Devido a pandemia do novo coronavírus, e o grande impacto que ela teve nos Estados Unidos, a tradicional San Diego Comic Con foi cancelada pela primeira vez na sua história. O evento, que estava previsto para julho, é um dos mais influentes em lançamentos de HQs nos EUA, especialmente das grandes editoras.

Lá também é entregue o Prêmio Eisner, maior premiação da nona arte no mundo. Ainda não se sabe quando ocorrerá a entrega do prêmio nesse ano.

Claudio Gabriel

Apaixonado por cultura pop no geral. Repórter da rádio CBN e editor-chefe do site Senta Aí.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao topo