A biografia de Angela Davis

Toda a sequência inicial da HQ “Miss Davis: A vida e luta de Angela Davis” já traz um grande olhar de admiração sobre a figura dessa personagem principal que irá rodar a trama. Em um confronto de policiais e parte de integrantes do partido dos Panteras Negras, a qual acaba com ação truculenta por parte da polícia, as primeiras coisas que chegam até a mente daqueles que buscam pacificar a situação é chamar Davis. Assim, quando resolvida toda a questão e o fato ter causado “apenas a prisão”, Angela deixa claro “já é uma vitória…”.

É a partir dessa perspectiva racial que encontramos a HQ de Sybille Titeux de La Croix e Amazing Ameziane. É uma obra que busca retratar sob alguns pontos de vista a trajetória política e também de vida de Angela Davis, uma das maiores atividades sobre a causa comunista e racial do mundo. Assim, os autores retomam desde a infância dessa protagonista real para poder traçar paralelos de como sua luta futura iria começar. É como se, a todo instante, o racismo e o capitalismo sempre foram tão fortes, a ponto de limitar o crescimento dessa mulher – dentre tantos outros.

A história segue um caráter bem linear trazendo os diversos pormenores de sua vida, como casos amorosos, até o aspecto de maior importância no quadrinho: a sua prisão. Esse é um ponto chave para narrativa, que vai explorar, através dos desenhos, toda essa percepção de encarceramento que Davis vai sofrer por ali. Aliás, torna-se recorrente na trama um encarceramento moral e até de vivência, da liberdade de circular quando ela vai parar um bairro branco, por exemplo. Entretanto, ao realmente ficar em um presídio, é quando aquilo se torna mais transparente para a protagonista.

Acima de tudo, a obra passa, ao destrinchar grandes acontecimentos de forma mais impactante, por uma grande porta de abertura para conhecimento sobre toda a trajetória dessa importantíssima figura política mundial. O uso da forma das HQs torna-se cada vez mais impactante para transmitir sensações que a obra está buscando retratar, especialmente nessa compaixão por uma personagem tão importante. Uma extensa biografia feita através dos quadrinhos talvez até nem fizesse sentido, pelo fato de até impedir maiores sugestões a alguns acontecimentos dramáticos. Ao fim, “Miss Davis: A vida e luta de Angela Davis” sabe ser perfeita no que busca, que é aprofundar o conhecimento sobre a ativista.

Claudio Gabriel

Apaixonado por cultura pop no geral. Repórter da rádio CBN e editor-chefe do site Senta Aí.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo