50 anos da produção de Pedro Mauro

Entre as melhores publicações do ano, está “Cowboy”. É um trabalho feito pelo editor Renato Frigo que, após uma conversa seríssima com o grande quadrinista brasileiro Pedro Mauro, conseguiu algumas tiras e materiais originais do escritor e desenhista. Ele publica nessa coletânea as primeiras histórias de Mauro, datadas de 1970-71. Ali estão preciosidades de publicação, algo que realmente tinha sido esquecido por muitos colecionadores e especialistas em HQs, especialmente.

Assim, esse trabalho é realmente um pouco anacrônico. Muitos traços parecem bastante esquecidos no tempo, algo para finalizar, mas é interessante como a introdução do próprio Pedro Mauro dá um destaque para isso. É o início da sua carreira, com erros e acertos, mas, além de tudo, bastante aprendizado. Ele conta até um pouco sobre Ignácio Justo, um quadrinista e também publicitário, que foi fundamental para os ensinamentos do agora artista com 50 anos de carreira.

Falando sobre as histórias em si, a grande maioria também é um simples e puro faroeste. Dá para perceber claras influências de Sergio Bonelli em todas as pequenas pontuações que Mauro faz na estética dos quadros. Por exemplo, em um tiroteio, ele foca menos na ação em si e mais no armamento que tudo acontece – algo que Bonelli sempre gostou muito de fazer. Mas são diversões puras e simples, até ingênuas. A formação do personagem Pancho (que ficou famoso no meio underground) é algo ainda mais especial.

Destaco entre todas a história que encontra-se bem no meio da edição. É “Pancho nº3”, que busca elementos mais fortes sobre solidão e individualismo dentro do faroeste, algo que apenas o cinema conseguia trazer de forma mais fortificada. Além de tudo, é uma HQ que mais traduz o elemento de tensão de viver no deserto.

Claro que podem existir críticas, mas o trabalho de “Cowboy” é bem mais rememorar essa trajetória de vida de Pedro Mauro. O importante resgate histórico dá margem para o nome do quadrinista ganhar ainda mais sucesso, algo que já havia acontecido com a trilogia Gatilho – que será publicada em edição única em 2021 pela editora Pipoca e Nanquim. Para os fãs, um item de colecionador para ser guardado bem. Para quem quer conhecer, uma viagem no tempo nas HQs nacionais.

Claudio Gabriel

Apaixonado por cultura pop no geral. Repórter da rádio CBN e editor-chefe do site Senta Aí.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo