Histórias de uma Curitiba Plural

3 quadrinhos europeus para ler durante a quarentena

Já demos dicas de produções em quadrinhos americanas, com algumas obras extremamente famosas (voltaremos depois com outras dicas para HQs mais independentes), além de falar sobre os quadrinhos brasileiros, que têm causado cada vez mais orgulhos aos fãs da nona arte no país. Agora, passamos do continente americano como um todo para ir rumo a Europa, que possui uma realização quadrinística única, famosa internacional há bastante tempo.

São 3 dicas de obras diferentes entre si, contudo que demonstram a variedade e a intensidade que mostram como os quadrinhos podem ser diversos e intrigantes:

. Crônicas Metálicas

É realmente difícil pensar em uma realização específica e única de Moebius para poder indicar. Assim, como era minha vontade ter pelo menos algo clássico aqui, seu nome era o mais recomendado. Conhecido bastante no meio americano por “Surfista Prateado: Parábola” e “A Louca do Sagrado Coração”, ele idealiza em “Crônicas Metálicas” uma HQ voltada a um experimentalismo sem fim. Lado experimental esse que mostra sobre como é idealizada a forma de produção de contos na nona arte e como ela nunca é única, mas sempre moldada e diversificada.

Aliás, como grande fã do gênio do desenho francês, já indicaria a você que está conhecendo o trabalho de Moebius agora, a adquirir outras de suas realizações independentes, como a série “O Mundo de Edena” e “Caos”.

. A Grande Odalisca

O trio Bastien Vivès, Florent Ruppert e Jérôme Mulot já realizaram, individualmente, coisas inesquecíveis, como “Uma Irmã”. Na série “A Grande Odalisca”, eles criam um trio de personagens femininas fortes, lembrando muito a série “As Panteras”. A produção de ação mostra essas mulheres como assaltantes de museus, sempre armando os planos mais mirabolantes possíveis. A diversão da HQ é justamente essa, sua forma confusa e sem saber o que acontecerá pela frente.

Com a continuação já lançada no Brasil, chamada “Olympia”, é uma das novas séries a serem lançadas aqui mais intrigantes, especialmente por se tratar de um quadrinho de ação francês, país pouco acostumado com esse gênero na nona arte.

. Pílulas Azuis

Saindo um pouco do caminho da arte francesa, vamos para um quadrinho suíço. Sim, isso mesmo que você está lendo. Frederik Peeters, apesar de não ser um nome tão conhecido ainda por terras brasileiras, começa a ser visto com um possível gigantesco fututo mundial, sendo até já indicado ao  Festival de Angoulême, festival de quadrinhos europeus.

Em “Pílulas Azuis”, ele faz uma HQ autobiográfica, que irá falar sobre o relacionamento dele com sua mulher, soropositiva. Misturando um forte impacto emocional com bastante humor e romance, é uma obra que sabe idealizar toda as pequenas relações para poder ultrapassar o debate sobre HIV na sociedade. Trabalho tão importante esse, que deveria ser até lido em escolas.

Notícia da Semana. A editora Intrínseca lança agora em abril o quarto e último volume da série “Black Hammer”, talvez o trabalho mais forte e potente de Jeff Lemire. A obra, que já pude comentar mais aqui no blog, aborda sobre a falência dos heróis.

“Black Hammer 4: Era Da Destruição – Parte 2” custa o preço de capa de R$44,90.

Claudio Gabriel

Apaixonado por cultura pop no geral. Repórter da rádio CBN e editor-chefe do site Senta Aí.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao topo