3 mangás para ler durante a quarentena

Abordamos produções de quadrinhos em diversas partes do mundo. Dessa vez, vamos para o lado da nona arte japonesa, os famosos mangás, que originaram animes de muito sucesso no Brasil e pelo mundo afora. A lista buscou contemplar HQs fechadas ou que possuem já um número definitivo, além de sair de um padrão já reconhecido, e não grandes nomes como “One Piece” e “Cavaleiros do Zodíaco”.

. I Am a Hero

Completa em 22 edições (com 12 delas já lançadas no Brasil), “I Am a Hero” é talvez uma das grandes produções contemporâneas que usam o horror como um elemento diferencial da sua trama. Em um período auge das obras relacionadas a zumbis – especialmente o grande boom de “The Walking Dead” nos quadrinhos e na série de TV -, esse mangá veio trazendo uma veia do horror nos mortos-vivos, que teve bastante impacto durante os anos de início do sub-gênero.

Na HQ, escrita e desenhada por Kengo Hanazawa, vemos a história de um asssistente de um mangaká que, aos 35 anos, quase não possui mais perspectiva de um melhor futuro profissional. Sua dificuldade de relacionamentos também não ajuda a construir amizades ou amores mais fortificados. Um dia, no entanto, ele presencia uma mulher se transformar em zumbi e tudo é modificado no mundo a partir dali.

. Dementia 21

Primeiro quadrinho de Shintaro Kago lançado no Brasil, essa é uma obra, no mínimo, esquisita. Kago, aliás, é um dos grandes expoentes do ero guro nansensu, que é o uso do erótico e do grotesco para contar uma história, especialmente tecendo críticas para a sociedade japonesa. Em “Dementia 21” isso é o que não falta, quando o autor coloca de frente temas como: exploração do trabalho e a falta de cuidados com idosos no país. Isso tudo em uma camada de psicodelia e loucura onipresentes.

Dentro da trama acompanhamos uma cuidadora de idosos que, ao ser colocado em uma problemática pelo chefe, precisa arranjar uma nova forma de chamar atenção. Por isso, ela começa a escalar diversos degraus ao cuidar de pessoas mais velhas, subindo a patamares impossíveis e bizarros.

. Virgem Depois dos 30

Um mangá-documentário já não é algo muito comum, ainda mais quando se tem um tema tão complexo dentro do Japão quanto a virgindade. Atsuhiko Nakamura sabe consolidar quase didaticamente sua temática no início da obra, para acompanharmos, literalmente como um documentário, parte dessas histórias sobre homens que, por razões diversas, ainda são virgens depois de 30 anos. Definitivamente, é um trabalho que parece cômico, todavia fica pesado a cada nova página. É o mais complexo tematicamente que todos destacados nessa lista.

Capa da edição italiana.

Notícia da Semana. A editora Comix Zone, que já lançou “O Eternauta” completo no Brasil, anunciou que irá publicar “Sherlock Time”, obra desenhada por Héctor Germán Oesterheld e desenhada por Alberto Breccia, ambos de “O Eternauta”.  A HQ mostra as histórias de um detetive que viaja pelo tempo. Ainda não há preço ou data para ser publicada.

Claudio Gabriel

Apaixonado por cultura pop no geral. Repórter da rádio CBN e editor-chefe do site Senta Aí.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo