Histórias de uma Curitiba Plural

Horta da Hora!

No início do ano, eu comentei como estava animada para o ano letivo. Escola nova, novas pessoas, novas responsabilidades e principalmente novos projetos! Quais são os principais motivos para a minha animação! O projeto Cultivando Saberes (Educação Socioambiental para Escolas Sustentáveis) é coordenado pelo professor de sociologia e projeto de vida, Gabriel Portugal Sorrentino no colégio estadual Leôncio Correia, localizado no bairro Bacacheri, zona Norte de Curitiba. O projeto tem em mente alguns objetivos, como; Transformar o Colégio Leôncio Correia, em um espaço mais sustentável, baseado em quatro dimensões; currículo escolar, gestão escolar, espaço físico e comunidade escolar. Com isso desenvolvemos cada setor de uma determinada forma, como no currículo escolar, durante as aulas do projeto tivemos a visita e orientação do agroflorasteiro Amilton e da professora de biologia, Yanina Sammarco da UFPR. Também foram conduzidos tours pela escola com o professor Gabriel Portugal Sorrentino em participação com o professor Daniel Vinícius Ferreira a fim de apresentar aos estudantes as estruturas elaboradas a favor da sustentabilidade.

Já em espaço físico: o uso do Biodigestor, que faz o processo de decomposição da matéria orgânica, através da digestão anaeróbica, ou seja, sem que o oxigênio possa entrar, as bactérias decompõem a matéria orgânica úmida presente no equipamento, com isso conseguimos aproveitar o biogás, como combustível em nossa cozinha! Quanto à gestão escolar, o projeto participou do desafio Escolas Sustentáveis da Organização das Nações Unidas (ONU) e organizado pelo Instituto Akatu, que visa promover a técnica de sustentabilidade na educação básica. O projeto Cultivando Saberes, venceu como o melhor projeto do Brasil recebendo como prêmio um investimento de 105 mil reais que foram investidos em obras com base na sustentabilidade, como, por exemplo, a nossa querida sala verde que é uma bioconstrução feita com bambu! A técnica usada, conhecida como Arco da Vinci, ou também os painéis solares que auxiliam o consumo de energia do colégio, entre outras estruturas.

Certas partes do projeto adquiriram trabalho voluntário para serem desenvolvidas como a nossa querida horta, que juntou diversas pessoas para ser criada e ainda está sendo expandida hoje com ajuda dos alunos participantes do projeto, como o pé de milho, cenoura e alho que plantamos em conjunto no dia dezoito de maio (última quarta-feira). Neste semestre tivemos dois encontros, que na minha opinião, foram os dias escolares mais legais! Tivemos almoço na escola (que por sinal foi uma delícia!) Conhecemos o pessoal que participa junto com a gente no projeto, fizemos um tour pela escola (com direito a fotos!) e claro aprendemos bastante! Assumo que estou muito animada para o resto do ano letivo e saibam que esse projeto vai aparecer mais vezes por aqui! Geralmente ouvimos as opiniões quanto ao projeto de estudantes que participam dele gostaríamos de ter outra perspectiva, por isso pedimos a visão da estudante Gabriela Jamile Frese Fagundes da turma 1F, “Olha, como eu descobri o projeto esse ano eu não sei muito sobre ele. Já ouvi das atividades que fazem de amigas minhas que participam e parece bem legal, eu pessoalmente não tenho tempo pra participar embora eu gostaria muito.” Agradeço demais ao pessoal do projeto, por me proporcionar dias incríveis e um grande abraço para o nosso professor incrível!

Morena Rosa

📍Curitibana, adoro escrever e amo gatinhos😽 Vou compartilhar algumas coisas com vocês!    

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao topo