Histórias de uma Curitiba Plural

Good Times! Um show inesquecível!

Tenho muitas lembranças de shows, desde muito pequena! Minha mãe sempre me levou aos shows com ela, Casa das Máquinas, nossa eterna Elza Soares e até mesmo o BTS. Mas na minha opinião, o que mais me marcou, foi o do Gorillaz!

Gorillaz é uma banda virtual, criada em 1998 liderada pelo vocalista da banda Blur, Damon Albarn e pelo quadrinista e designer, Jamie Hewlett! Que são os únicos “integrantes” fixos, mas contam com outros artistas como Mike Smith tecladista, Karl Van Den Bossche baterista e percussionista, Gabriel Wallace baterista, Jesse Hackett tecladista (um artista incrível), que tive o prazer de conhecer! Jeff Wootton guitarrista e Seye Adelekan baixista!

Acabei conhecendo a banda com o meu pai, lá 2012, mas nunca tinha dado muita atenção (assumo que tinha um certo medo dos clips). Mas alguns anos depois eu comecei a me identificar com as músicas e passei a ouvir elas com mais frequência! Foi quando eu descobri como a banda foi e é a banda mais revolucionaria do rock! Com isso criei um amor gigante por eles.

Ano passado, no finalzinho do ano anunciaram que eles iriam fazer um show aqui no Brasil, mais específico em São Paulo! Eu fiquei muito animada com a notícia, mas puxa, eu teria que viajar até a São Paulo e as condições ($$$$) e covid-19 não estavam de acordo… Com isso eu fiquei muito triste, pensei que iria perder a oportunidade de realizar um dos meus maiores sonhos, mas logo depois, anunciaram mais dois shows um aqui em Curitiba e mais um no Rio de Janeiro! Fiquei super animada com isso e meu bolso também!

Eu contei os dias, desde quando comprei os ingressos, estava muito ansiosa e sinto que passei essa ansiedade para o meu namorado também já que ele iria comigo ao show, mas no momento que entramos na pedreira Paulo Leminski percebi que aquela noite ia ser incrível! Digo com muita certeza de que aproveitamos muito bem esse show, pulamos muito, cantamos, sorrimos (eu chorei um tequinho pela emoção, mas o sorriso foi muito maior!) Acho que o momento em que essas emoções mais mexeram comigo, foi na música Andromedra, a minha favorita!

Damon contou como nasceu a canção, quando participou do podcast Song Exploder. .

” Ethyl, mãe da minha parceira, estava muito doente e quando compus a faixa estava pensando nela. Tudo veio de uma vez só; foi um take, a canção inteira. Quando ela estava nas suas últimas horas de vida eu fui visitá-la no hospital, e por mais trágico que fosse, a sua morte e palavras finais foram, pra mim, tão lindas e animadoras. Pensar nela, me fez pensar em Bobby Womack (antigo colaborador do Gorillaz), que morreu há dois anos, e eu comecei a pensar em todas essas pessoas lindas que eu conheci e que se foram e eu pensei, “vamos fazer isso pelos melhores tempos”.

Nunca pensamos em como a nossa música favorita pode ter um significado tão grande, não só para você como ouvinte, mas também para compositor.

Esses momentos culturais são tão bacanas e importantes para a nossa autonomia/formação dos nossos gostos!! Primeiro show que pude comprar o ingresso com o meu dinheiro, também estou aprendendo a lidar com ele, mas isso é assunto para outra conversa…. Hoje queria trazer uma boa reflexão, qual a sua banda preferida de todos os tempos?

Morena Rosa

📍Curitibana, adoro escrever e amo gatinhos😽 Vou compartilhar algumas coisas com vocês!    

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao topo