O que o VAR pode aprender com revisão eletrônica em outros esportes?

Breadcrumb Navigation

Uma das grandes discussões esportivas desde o início do ano de 2019 no Brasil, tem sido o uso do VAR (vídeo assistant referee). O sistema de revisão com o árbitro de vídeo chegou para solucionar um dos maiores problemas do futebol nas últimas décadas: os erros de arbitragem.

Sejam eles impedimentos mal ou não marcados, gols irregulares e algumas outras marcações duvidosas, não há fã de esporte que não tenha cansado de assistir campeonatos decididos de maneira irregular, lances inacreditáveis que não foram assinalados.

Mas a chegada de uma possível solução não veio apenas com elogios e flores, veio acompanhada também por várias críticas.

Os mais saudosistas espectadores do mundo da bola afirmam que a tecnologia vai acabar com o futebol e que estão mexendo com a paixão do torcedor. Os mais progressistas estão empolgados para ter um jogo mais limpo e sem espaço para dúvida em cima daqueles que intermediam o jogo,os árbitros.

Com isso, é de suma importância que a ferramenta seja aprimorada com o espelho de outros esportes. A NFL (National Football League) usa há anos o sistema de revisão nas partidas de futebol americano, sem contar os torneios de Tênis, Críquete e Rúgbi que também são esportes de referência no assunto.

Mas parece que a teimosia da ala saudosista insiste em querer reinventar a roda ao invés de buscar os bons exemplos e adequar a nossa realidade.Tanto que já há quem peça que o VAR seja excluído dos campeonatos, o que convenhamos, é um absurdo. É sempre válido questionar se as práticas atuais servem ao objetivo proposto ou se há uma maneira melhor de conduzir as coisas.

Por que não espelharmos no caminho da NFL? Uma liga esportiva que muito mudou e ainda muda ao longo dos anos, buscando o aprimoramento. O futebol americano conta com um número crescente de câmeras em campo, investimento em capacitação dos árbitros e alinhamento para que todos tenham o mesmo padrão (ou bem parecido) sobre os temas importantes do jogo.

Assim como “as zebras” fazem em campo ao parar o jogo para rever e analisar uma jogada, não seria hora do futebol reavaliar seus procedimentos?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *