Fascículo 30: Aliança pelo Brasil, Príncipe Luiz Philippe e Tite

17: Número a ser jogado no lixo por indivíduos que criaram perfis com ele nas redes sociais. 

ALIANÇA PELO BRASIL: O primeiro partido-gincana do mundo. 

BRICS: Reunião enfadonha com representantes de países desagradáveis. O presidente Bolsonaro poderia estar jantando, à luz de velas, na companhia do atraente Donald Trump em vez de perder tempo com nações desclassificadas em Brasília.

CULTO À PERSONALIDADE: Culto que acabou recentemente nas ditaduras brasileiras. Antes, especialmente nos anos 1970, mandava só o Médici. Agora mandam três: Jair, Messias e Bolsonaro. 

DPVAT: Fundo partidário de agremiações de esquerda utilizado para sua perpetuação no poder e subsequente transformação do Brasil num satélite de Cuba e da Coreia do Norte.

EVO MORALES: Traficante de cocaína loser. 

INTERFONE: Aparelho de comunicação entre um porteiro e um proprietário de imóvel que, ao receber a ligação e atendê-la, poderá estar em qualquer localidade do planeta, menos em sua residência.

JEANINE AÑEZ: Formidável golpista que se notabilizou por assumir o Estado boliviano, sozinha e no peito siliconado, mesmo tendo vindo ao mundo em função de uma fraquejada de seu genitor. Ver Barbie e Klaus Barbie.

LA PAZ: Atualmente, a mais elevada democracia da América Latina com mais de 3000 metros acima do nível do mar. 

MARIELLE: Pessoa que nunca ouviu-se falar, foi de nossas relações próximas ou a quem dirigiu-se a palavra. Ver Nada a Declarar.

MONARQUIA: Forma de governo em que um rei exerce a função de chefe de Estado e mantém-se no cargo até a morte ou a abdicação. No fundo é uma República sem os inconvenientes das eleições para o principal mandatário. 

PSL: Partido jurado de morte.

PRÍNCIPE LUIZ PHILIPPE: O vice ideal, não estivesse focado apenas em encontrar o seu príncipe encantado para se casar.

TITE: Linguista, lexicógrafo e técnico da seleção brasileira de futebol que, se não virar um João Saldanha em 30 dias, será emprestado ao selecionado da Hungria.

TOFFOLI: Ministro jurado de morte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *