Fascículo 26: A verdade sufocada, PSL e Geta Thunberg

A VERDADE SUFOCADA: Livro do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra cujo subtítulo é  “A história que a esquerda não quer que o Brasil conheça”. Todo professor deveria, além de lê-lo, recomendar a sua leitura aos alunos. Se a esquerda não quer uma coisa, de antemão, já é uma coisa boa.

DELEGADO WALDIR: Futuro Ministro da Implosão da Dívida Pública.

DESEMPREGADO: Pessoa que reclama do governo porque não se coloca no mercado, mas não confere se está com bafo de pinga antes de se queixar às autoridades.

DEUS VULT: Expressão do latim que significa “Deus quer!”. Ela vem estampando camisetas, textos, tatuagens e tweets da extrema direita  desde que Donald Trump resolveu se lançar candidato à presidência dos EUA, em 2016. Também passou a ser um bordão do Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. Antes do fechamento deste verbete tentamos falar com Deus para checar se Ele havia feito a declaração, mas não conseguimos encontrá-Lo. Ver São Bernardo de Claraval.

ELIZABETH II DO REINO UNIDO: Dona rainha.

EMBAIXADA EM WASHINGTON: Mais uma instituição nacional que samba na cara do Primeiro Mundo. Vem funcionando perfeitamente, há mais de dez meses, sem precisar de embaixador. E ainda há críticos e haters do regime que afirmam que a tecnologia brasileira é atrasada.

GENERAL VILLAS-BÔAS: O tipo de militar que nunca está de boas com o STF e, por conseguinte, com o regime democrático.

GRETA THUNBERG: Menina boba que decorou uma redação ginasiana, extremamente mal feita, e a proferiu num evento mundial de peso. Por causa da patacoada ganhou destaque exagerado na mídia comunista e fabricante de fake news. 

PSL: Região em conflito bélico com o governo da República Federativa do Brasil. Os principais correspondentes de guerra da imprensa internacional já vieram para a zona de beligerância a fim de enviar informações às suas publicações, sites e blogs. 

SÃO BERNARDO CLARAVAL: Cruzado e suposto autor da expressão Deus vult! (“Deus quer!”), sempre citada em tuítes do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. No Oriente Médio, depois da derrota cristã no cerco de Edessa, o papa encarregou Bernardo Claraval de comandar a Segunda Cruzada, cujo fracasso foi considerado culpa sua. Depois de passar 40 anos na cadeia, seus advogados decidiram entrar com um habeas-corpus para libertá-lo. Como Bernardo Claraval já tinha ido a óbito foi canonizado e seu espírito pôde sair do presídio a tempo de se candidatar a Doutor da Igreja. Ver Deus vult.

UNIVERSIDADE FEDERAL: Local onde abundam bolcheviques e cracolândias. Versão contemporânea dos quilombolas. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *